Vítor Alberto Klein's Blog

21/04/2011

Ensinando a Pescar

Filed under: Atualidades — vitoralbertoklein @ 16:25

Fonte: Revista Veja, Editora Abril, edição 1869, ano 37, nº 35, 1º de setembro de 2004, página 20

Uma das frases mais divulgadas por empresas socialmente responsáveis é “Nós não damos o peixe, nós ensinamos a pescar”.

Um dos conceitos mais valorizados por intelectuais, e especialmente por professores, é que ensinar a pescar é importante, dar o peixe não é. São pessoas que se colocam contra o assistencialismo, a caridade e a filantropia. Acham que o assistencialismo é nocivo, que cria dependência e reduz a auto-estima.

Existe atualmente enorme preconceito contra entidades que dão assistência, como aquelas que cuidam de moças solteiras grávidas e as inúmeras entidades que servem sopão aos famintos. De uns anos para cá, doadores estão deixando de ajudar entidades assistencialistas – hoje as empresas não querem patrocinar entidades que oferecem teto a moradores de rua, olham feio para o Fome Zero. A maioria das empresas socialmente responsáveis está sendo induzida a patrocinar prioritariamente projetos que “ensinam a pescar”. E aceita sem pestanejar porque são projetos que proporcionam elevado retorno sobre o investimento.

Eu vou defender as entidades que prestam assistencialismo à moda antiga e tentar ajudá-las a reverter a onda que estão sofrendo, e à qual muitas não estão resistindo.

O ser humano tropeça muitas vezes na vida. Já vi o desespero de mulheres abusadas, já vi pessoas humildes entrar em pânico porque os filhos contraíram câncer. Essas pessoas não precisam aprender a pescar. Elas precisam de assistência, carinho e compaixão. Alcoólatras precisam de ajuda, um ouvido amigo, e não de cursos sobre os efeitos do álcool. Dependentes químicos não precisam de cursos de “geração de renda”, eles precisam de compaixão, colo e um ombro carinhoso para poder readquirir forças para se reerguer SOZINHOS. Órfãos, paraplégicos, portadores de hanseníase ou síndrome de Down, além de um curso de três semanas, precisam de atenção dedicada anos a fio.

Todo ano analiso mais de 400 ONGs e descobri algo muito constrangedor. Nas organizações que fazem “mero assistencialismo”, 80% dos recursos doados são revertidos em uma cadeira de rodas, em óculos para um deficiente visual ou em um prato de comida. Ou seja, o dinheiro vai para quem precisa, enquanto nas ONGs que “ensinam a pescar” 85% das doações terminam no bolso dos professores ou da estrutura, não no bolso dos alunos carentes. Por que professores não podem ser voluntários sem receber nada, como os outros? Alguns, felizmente poucos, cobram fortunas dessas entidades para dar aulas de gestão do terceiro setor e nem ficam vermelhos quando em sala de aula enaltecem o trabalho voluntário.

Hoje as empresas socialmente responsáveis estão usando critérios capitalistas para escolher projetos sociais, querem “investir”, querem “retorno”, querem “alavancar”. Por isso, adoram projetos que ensinam a pescar, porque o “retorno sobre o investimento” é elevado. Com esses critérios tipicamente neoliberais, nenhuma empresa investe mais no velho, no tetraplégico, no cego, porque “não compensa”. Empresário só “investe” em crianças, danem-se os “mais fracos” e os doentes terminais. É o neoliberalismo social sobrepujando o humanismo cristão.

Cuidado! Ensinar a Pescar é quase um sinônimo usado por muitos para justificar a atitude de “lavar as mãos”.

E o que fazer quando não há peixe?  Será que ao menos estes se lembram de ensinar esta lição de importância vital?

Não sou contra ensinar a pescar, quero deixar isso bem claro. Fui professor por 30 anos, precisamos de ambas as posturas sem dúvida alguma. Só que a maioria das entidades que fazem “mero assistencialismo” também ensina a pescar como parte da recuperação, mas isso os intelectuais nunca divulgam. O que me preocupa é a enorme ênfase atual na primeira atitude em detrimento da segunda.

Precisamos reverter esse preconceito, precisamos dar valor àquelas entidades que prestam assistência a órfãos, paraplégicos, portadores de hanseníase, síndrome de Down, cegos, doentes mentais, velhos, vítimas de estupro e abuso sexual. Lamento dizer que boa parte de nossos problemas sociais não é resolvida em sala de aula, por isso temos de manter o equilíbrio.

Se sua empresa é uma dessas que fazem questão de não dar o peixe e somente ensinam a pescar, repense sua posição. Muita gente necessitada vai preferir o apoio e a mão amiga de sua equipe a umas brilhantes aulas.

Texto adaptado do artigo de Stephen Kanitz é administrador por Harvard (www.kanitz.com.br)

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: